.posts recentes

. O Irmão do loucura Londri...

. ...

. O penteado da nova estaçã...

. O gajo vestido à labrego

. Música ao acaso

. Pedido de ajuda para desc...

. Experimentando gadgets

. ti. ti. ti. ti. ti. ti. t...

. Três quilos e meio baralh...

. Como os rumores mudam a m...

. Post sobre cuecas II

. As minhas cuecas

. Momento estranho da seman...

. 110 minutos de sono profu...

. Ainda não morri... ...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados

Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Vírus perigoso cá por casa

Julgo que a Magda foi atacada por alguma espécie de vírus que provoca alguns sintomas complicados quando se vive em comunidade.

O primeiro desses sintomas de que me apercebi é a cleptomania.

Há algumas semanas atrás apercebi-me que o meu amaciador de roupa estava a desaparecer mais rapidamente que uma lavagem por semana, a utilização que lhe dou.

Não foi pelo valor (custou menos de uma libra) mas pela curiosidade que lhe coloquei uma marca com uma caneta permanente.

Um pequeno traço imperceptível ao olho brasileiro (isto é uma piada).

Na semana seguinte o nível de amaciador estava mais baixo que a marca.

Lembro que na casa só vivo eu e a Magda.

 

O segundo sintoma do vírus de que a Magda terá sido atacada é a desculpabilização.

Na semana passada deparei-me com dois avisos iguais dentro do armário dos líquidos e detergentes.

Um estava colocado no detergente para a roupa e o outro no amaciador.

 

 

Eu nunca utilizei nada da Magda.

Juro!

Ok, à excepção de uma manteiga com sabor a alho, que ela tinha no frigorífico.

E acho que ela não descobriu o meu esquema para detectar roubos no meu amaciador.

Por isso, só pode ter sido o tal vírus a levá-la a colocar os avisos.

O vírus adicionado à sua tendência para decorar a casa com gravuras escritas num português mais que correcto.

Veja-se o exemplo daquilo que deveria ser um “é meu” transformado num “e meu”.

Recordo que ambos os avisos são compostos por seis palavras, uma das quais é o nome dela, no qual ela nunca daria um erro (e até já nem sei…)

Sendo assim, fica uma percentagem de 20 por cento de erro.

Ou seja, um erro em cada cinco palavras que ela escreve.

Tentem fazer melhor, miúdos de seis anos…

Gostaria ainda de voltar a chamar a atenção para um facto que já referi neste texto.

Na casa só vivo eu e ela.

Sendo assim, para quê assinar os avisos?

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 20:52

link do post | favorito

De Silvia a 7 de Janeiro de 2009 às 13:53
E caso para dizer: Ganda Lata!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags