.posts recentes

. O Irmão do loucura Londri...

. ...

. O penteado da nova estaçã...

. O gajo vestido à labrego

. Música ao acaso

. Pedido de ajuda para desc...

. Experimentando gadgets

. ti. ti. ti. ti. ti. ti. t...

. Três quilos e meio baralh...

. Como os rumores mudam a m...

. Post sobre cuecas II

. As minhas cuecas

. Momento estranho da seman...

. 110 minutos de sono profu...

. Ainda não morri... ...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados

Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

É tão bom viver

 

Às vezes tenho a sensação que o meu cérebro encolhe.

São momentos muito específicos e habitualmente de curta duração.

Por exemplo, uma piada, um comentário ou a resposta de alguém.

E faço tudo para me afastar o mais rapidamente dessa pessoa, para que o meu cérebro não continue a encolher.

Espero que esta sensação não seja exclusivamente minha.

Para compensar há os momentos em que sinto criatividade a transbordar da minha cabeça.

Esses momentos são vividos solitariamente, por vezes, mas na maioria acompanhado por alguém ainda mais inteligente que eu, ou pelo menos com um sentido de humor parecido ao meu.

E faço tudo para prolongar a companhia dessa pessoa.

A vida é feita de momentos.

 

 

Há as pessoas que entram na minha vida como colegas, e não passam disso.

Muitos.

Depois há os que aparecem como colegas, fazem a transição para amigos e caem no esquecimento, algum tempo depois.

Chego a aperceber-me disso quando ainda são amigos.

Alguns.

Mas, felizmente, há os que surgem como desconhecidos e que nem chegam a ser colegas porque se tornam logo amigos.

Bons amigos.

E assim ficam para sempre, espero.

Poucos.

A vida é feita de pessoas.

 

 

Às vezes questiono-me porque me recordo de certos retalhos de memória.

Memórias que até considero banais, e não sei porque as guardo.

Imagino a quantidade de outras memórias “enterradas” num inconsciente profundo.

E nenhuma delas, mesmo mais importantes, me vem à recordação.

Mas mesmo essas memórias recordadas mais banais originam reacções físicas.

Umas riso, outras sorriso, outras arrepio, outras tristeza e outras ainda reacções que agora não me lembro porque também não me lembro que memórias são.

E por muitas que sejam as vezes que as recordo, as memórias originam sempre a mesma reacção física.

Como que as duas estivessem associadas eternamente no nosso inconsciente.

A vida é feita de recordações.

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 00:04

link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De Ana Rodrigues a 4 de Maio de 2009 às 02:38
E é tao bom saber que temos momentos, recordações, pessoas... Que fazem ser tão bom viver!

Ana
www.sentirmeaqui.blogspot.com


De sandra c a 5 de Maio de 2009 às 17:03
ai o caneco!!!! tu "lembra.te" agora de esquecer esta tua amiga!!! levas um apertão nas bochechas que tu vais ver!!!


De Silvia a 9 de Maio de 2009 às 18:13
Gostei muito deste post!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags