.posts recentes

. O Irmão do loucura Londri...

. ...

. O penteado da nova estaçã...

. O gajo vestido à labrego

. Música ao acaso

. Pedido de ajuda para desc...

. Experimentando gadgets

. ti. ti. ti. ti. ti. ti. t...

. Três quilos e meio baralh...

. Como os rumores mudam a m...

. Post sobre cuecas II

. As minhas cuecas

. Momento estranho da seman...

. 110 minutos de sono profu...

. Ainda não morri... ...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados

Sexta-feira, 12 de Junho de 2009

Um ano na Inglaterra

 

Faz hoje, sexta-feira dia 12 de Junho de 2009, um ano que cheguei à Inglaterra.

Passou tão rápido, agora que olho para trás.

Hoje podia escrever sobre trabalho, carreira, futuro, sonhos e muitas outras coisas que me levariam à repetição.

Mas não o vou fazer.

Reparo que tenho andado a escrever muito sobre um tema nos apontamentos pessoais, e é sobre ele que quero escrever hoje aqui.

Vou fazer um rescaldo, mas sobre o amor.

Aviso que provavelmente sairá um texto bastante pessoal, e até chato.

Mas como sei que o que é pessoal atrai o ser humano, sei que ninguém vai desistir da leitura deste post neste ponto final.

 

Eu sou uma espécie rara de homem.

Cheia de contradições, ainda por cima.

Para além de acreditar no amor, acho que não o sei quantificar.

Olho para trás, e tenho dificuldade em dizer se alguma vez estive realmente apaixonado.

Ou se já estive várias vezes e em todas fui mal sucedido.

Mas a maior contradição é que como grande crente no amor, nunca tive uma namorada.

Pelo menos na minha definição de namorada.

Nunca nomeei ninguém de “minha namorada”.

Já tive paixonetas, aventuras, amores platónicos, grandes amigas e as habituais “namoradas” da primária.

Mas nunca ninguém que considerasse como uma verdadeira namorada.

Alguém que sentisse preencher-me quase a 100 por cento, e com quem estivesse por um largo período de tempo.

Cometi alguns erros na minha vida amorosa.

Deixei “passar” grandes pessoas.

Mas o pior é que já depois de me aperceber disso posso ter deixado passar mais ainda.

E tudo porque não sei quantificar o amor.

Essa será a raiz de todo o meu problema.

E o mais engraçado, é que acho que serei um grande amante.

Sem querer tornar isto num texto publicitário daqueles sites de encontros, acho que serei uma boa companhia.

Divertido, romântico, falador e ao mesmo tempo bom ouvinte.

Mas também muito exigente.

O outro grande problema.

E com o passar dos anos, e o crescimento da solidão amorosa, o muro não desce.

Continuo a procurar características na pessoa amada que se calhar não estão ao meu alcance ou nem sequer existem.

Poderia descrevê-las e aprofundar-me em cada uma.

Mas já os poetas o fizeram e com melhor mestria.

Às vezes digo para mim mesmo que vou mudar.

Mas isso não acontece.

Depois concluo que ainda não terei encontrado a “pessoa”.

Ou que terei mesmo de ficar assim: amorosamente solitário.

E aí lá se vão ao ar todos os meus projectos.

Mulher, filhos, casa, carro, cão e patins em linha.

Se calhar sou é um masoquista que adora os momentos iniciais de uma paixão em que tudo parece perfeito.

Mas que termina pouco depois com desilusão ou frustração.

Vou-me contentando com esses momentos naifs.

Mas continuando a acreditar que um dia poderei sentir que encontrei a pessoa certa.

 

Podia continuar por horas.

Mas já fui mais fundo do que alguma vez tinha ido.

sinto-me:
tags: ,

publicado por Peter WouldDo às 00:04

link do post | favorito

De Dora a 12 de Junho de 2009 às 23:58
Ola

Lindo post ( so deep ), olha eu desde que dexei de sonhar com o George Clooney dexei de usar a expressão "pessoa certa" acho muito forte, na minha opinião existe aquela pessoa que tem algumas características que nós procuramos e defeitos suportáveis e que também pode suportar os nossos defeitos, ainda que por algum tempo. Será para ti a "pessoa certa" uma pessoa perfeita? Se sim lamento informar-te não vais encontrar, se não olha mais a tua volta (She is on way) ou então, podes sempre optar pela solidão.

PS: A solidão ninguém merece.

Beijos


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags