.posts recentes

. O Irmão do loucura Londri...

. ...

. O penteado da nova estaçã...

. O gajo vestido à labrego

. Música ao acaso

. Pedido de ajuda para desc...

. Experimentando gadgets

. ti. ti. ti. ti. ti. ti. t...

. Três quilos e meio baralh...

. Como os rumores mudam a m...

. Post sobre cuecas II

. As minhas cuecas

. Momento estranho da seman...

. 110 minutos de sono profu...

. Ainda não morri... ...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados

Terça-feira, 18 de Agosto de 2009

Tou a recordar comidas de criança

 

Na Inglaterra não há Bollycaos.

Uma pessoa quer empanturrar-se com dois ou três bollycaos e é obrigada a comprar pães de cachorro e meter lá dentro Nutella.

Xiça, que estes ingleses são mesmo uns desmancha-prazeres.

Acreditem que da próxima vez que for a Portugal vou comer uns três Bollycaos para matar saudades.

É que cá nem aquelas imitações ou variantes, tipo Chipicao, Bimbocau ou Manházitos…

As crianças inglesas, apesar de em média serem mais gordas que as portuguesas, nunca foram submetidas a um lanche à base de Bollycaos e Caprisones.

Lembro-me daquelas tardes como se fosse hoje…

Claro que se hoje tenho as bochechas gorditas é aos Bollycaos que comi que devo essa característica.

Cá, de certeza, que há uns anos atrás se puseram com discursos moralistas de que os Bollycaos não eram nutricionais e baniram-nos dos recreios das escolhas.

Deve ter sido por volta do lançamento dos cromos TOU, no interior desses magníficos bolos.

Não sei se alguém se lembra, mas aqueles cromos eram fenomenais.

De tal forma que eu tinha amigos que nem chegavam a comer os Bollycaos pois só queriam era mesmo os cromos.

E eu ali ao lado não ia ficar a ver a desperdiçar aquela preciosidade.

Mais uns gramitas directamente para as bochechinhas.

Admito, porém, que também fui um grande coleccionador desses cromos.

Acho que ainda tenho algumas dezenas guardadas numa caixa de Ferrero Rocher num armário da minha garagem.

Quando for a Portugal tiro uma foto para provar a minha fidelidade.

E houve uma altura, quando saiam esses cromos, que pelo meio estavam prémios.

Entre os quais t-shirts.

Eu fui um dos felizes contemplados.

Já não tenho essa t-shirt, mas ela deu lugar a uma das alcunhas que eu já tive: Bollycao.

Dada por uma amigo do secundário, durante um jogo de futebol onde eu orgulhosamente vestia a famosa t-shirt.

Ele já nem se deve lembrar disso, mas marcou-me para o resto da vida.

Não tenho dúvidas em dizer que, assim como os travesseiros, o Caprisone, os Sugos ou as chicletes Gorila, o Bollycao marcou a minha vida para sempre.

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 00:04

link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags