Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Loucura Londrina | Aventuras Em Blog

Um Português A Aprender a Viver Em Londres, E Nem Sempre Da Maneira Mais Fácil

Um Português A Aprender a Viver Em Londres, E Nem Sempre Da Maneira Mais Fácil

Loucura Londrina | Aventuras Em Blog

01
Dez09

O Homem Que Murmura Sozinho - 2

Peter WouldDo

“Sorry, what time is it?”, pergunto receoso.

Ele pára, estático, a olhar para mim.

Segundos depois olha para o relógio e atira: “A quarter to six.”

“Thanks”, respondo eu.

Sinto agora que já fui mais longe do que alguma vez iria.

Se bem que perguntar as horas não é o mesmo que perguntar o que ele murmura.

Mas já entrei na zona de desconforto.

Há umas semanas atrás o professor de guionismo disse que deveríamos fazer isso mais vezes.

Sair da zona de conforto e fazer coisas que em circunstâncias normais não faríamos.

Diz ele que isso nos ajuda a criar melhores personagens.

Talvez.

Mas reconheço que não é fácil, apesar de estar a viver numa cidade onde ninguém me conhece e onde posso fazer isso sem consequências de maior.

Há umas semanas atrás parei a olhar fixamente para umas miúdas que estavam a gozar quase toda a gente no metro.

Obviamente que ao fazer isso tornei-me no centro das atenções delas.

E passei a ser eu o alvo do seu gozo.

No momento em que elas se viraram para mim senti que já não havia forma de voltar atrás e só poderia levar as minhas acções em diante.

Como elas já tinham gozado quase toda a gente na carruagem, fazendo referências à roupa ou ao estilo dos cabelos, resolvi usar isso em meu favor.

Toda a gente já estava a ficar farta delas.

E quando comecei a fazer-lhe caretas, toda a gente se riu.

Fazendo com que fossem elas a sentirem-se envergonhadas.

Nessa altura elas teriam duas possibilidades: sair na estação seguinte para acabar com o momento desconfortável, ou aumentar ainda mais a animosidade para comigo e tentarem fazer-me parar.

Infelizmente optaram pela segunda.

Começaram a usar calão inglês.

Parte dele não percebi.

Voltava a estar em inferioridade.

Reparando que chegaríamos à paragem onde teria de sair, usei isso em meu favor.

Levantei-me bruscamente, levando-as a encostarem-se para trás no banco com medo que lhes fosse fazer alguma coisa.

Parei quieto sem dizer nada, o que ainda aumentou mais o suspense.

Por essa altura tinha toda a carruagem a olhar para mim e a tentar adivinhar o que iria eu fazer a seguir.

Quando o metro parou disse, em português:

“Xau meninas feias”.

E saí.

Elas ficaram sem reacção.

A olhar para mim, acho.

Porque nem para trás olhei.

Acho que ganhei o combate.

Mas a minha maior vitória foi ter conseguido sair dessa tal zona de conforto.

No início é difícil, mas reconheço que depois se torna engraçado.

O mais provável é que nunca mais volte a ver aquelas miúdas.

E foi a pensar nisso que levei a “brincadeira” até ao fim.

O homem que murmura foi-se embora.

E como já passa das seis, acho que vou fazer o mesmo

O café fecha às seis e meia.

Quase sem que me apercebesse escrevi cinco páginas de texto.

Nada mau, para uma tarde de domingo chuvoso.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Downloads

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D