.posts recentes

. Os dois lados de ser o es...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados


Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009

Os dois lados de ser o escolhido

  

Ontem chegou uma chamada telefónica ao departamento onde trabalho pedindo para que uma encomenda fosse levada da recepção ao gabinete do Al-fayed (pai do gajo que morreu com a Diana), e dono do tasco.

De seguida vi o chefe que recebeu a chamada a levantar a cabeça à procura de alguém para enviar.

E escolheu-me a mim.

Quando me disse o que tinha de fazer até senti algum orgulho por ter sido o escolhido.

Pelo meio das explicações, revelou-me que a encomenda tinha de passar primeiro por uma máquina de raio-x, na segurança.

Lá segui caminho.

Durante o percurso pus-me a pensar e cheguei à conclusão de que a honra não tinha sido assim tão grande.

Pelo contrário: eu estava a correr perigo de vida, no caso de dentro da encomenda estar uma bomba.

Mas o que terá levado o chefe a escolher-me a mim? Qual terá sido o critério?”, questionava-me.

 

A primeira coisa que me veio à cabeça foi o facto de eu não ter filhos, ao contrário de quase todos os outros colegas:

Aquele tuga ali ainda não tem descendentes por isso não faz falta nenhuma. Huuum, mas ainda pode vir a ter ao contrário dos velhos…

Irrra, que se foram feios como ele…

É mesmo esse que escolho”, deve ter ele pensado.

 

Outra hipótese plausível é a minha simples insignificância:

Vou escolher aquele ali que se morrer não faz cá falta”, pode também ter passado pela cabeça dele.

 

Nos dias que correm, a religião também não é de pôr de lado:

Ora bem… os hindus não porque a Índia já foi uma ex-colónia nossa.

Islamitas nem pensar porque a haver bomba na encomenda foi colocada por eles e depois a vingança ainda seria maior.

Fico com os judeus e os palestinianos…

Palestinianos não, porque com os bombardeamento cada vez há menos.

Judeus também não, porque o Tony Blair está em Israel e ainda lhe faziam mal…

Não tenho outra escolha…

Espera lá, está ali aquele cristão a olhar e que ainda por cima é do país do Cristiano Ronaldo. Que se lixe o gajo.

 

A orientação sexual também não pode ser excluída:

Ora… mulheres não porque fazem cá falta.

Os velhotes não fazem concorrência.

Os islamitas é que era de arrumar com eles porque podem casar com quatro mulheres… mas por outro lado no paraíso teriam mil virgens…

Olha-me aquele macho latino ali escondido. Já te fo…es

 

A verdade é que a encomenda não tinha bomba nenhuma.

Mesmo assim não me livrei de uma salva de palmas ao entrar no departamento.

Como um herói que acaba de sobreviver a uma rajada de tiros.

Bem, o chefe também pode ter pensado que eu seria o único a conseguir sobreviver a uma forte explosão…

 

Peter, wake up. Your break is finish”, disse-me um colega.

Tinha adormecido durante a minha meia hora de descanso e a sandes de fiambre e a banana tinham ficado por comer.

 

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 00:18

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags