.posts recentes

. Aumenta o número de visit...

. Adepto de futebol tuga em...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados


Segunda-feira, 2 de Março de 2009

Aumenta o número de visitas... ao meu quarto

As últimas semanas têm sido impressionantes.

Em quase todas tive visitas.

Ora é a família, ora são amigos.

Ou amigos da família e até família de amigos.

Isto tomou proporções tão grandes que há dias acordei e ao meu lado, a dormir não chão, estava uma gaja muita boa.

Depois de a acordar para lhe perguntar quem era ela, lá me disse que tinha era amiga de um amigo e que eu a tinha autorizado a dormir no meu quarto.

Mas acrescentou, com um sorriso de orelha a orelha, que nada de “anormal” se tinha passado na noite anterior.

Claro que fiquei o resto do dia a tentar perceber o que ela quereria dizer com “anormal”, já que não me lembrava de nada…

Embora a ideia de acordar com uma gaja boa ao lado me agradasse.

 

Mas as proporções do número de visitas não ficam por aqui.

Poucos dias depois recebi um email de um gajo, que não conheço, a agradecer-me pela estadia, que tinha sido “muito boa”.

E lá pelo meio do email dizia que estava feliz “por tudo o que de fora do comum aconteceu”.

“Fora do comum!?” – mais uma vez não me lembrava de nada…

Uma gaja toda boa a falar-me de coisas “anormais” que não aconteceram ainda se aguenta.

Agora um gajo que nem sequer conheço a agradecer por “por tudo o que de fora do comum aconteceu” é que já não me deixa de consciência tranquila.

Tive de lhe responder…

E como quem não quer a coisa lá lhe perguntei o que ele queria dizer com “por tudo o que de fora do comum aconteceu”.

A resposta chegou dois dias depois, já eu estava sem dormir há igual período.

“Desculpa se não me fiz entender. Quando escrevei “Por tudo o que de fora do comum aconteceu” estava a referir-me à gaja boa que estava já a dormir no chão do teu quarto quando chegamos dos copos. Eu sei que não costumas ir abaixo com tão poucas cervejas, mas ainda bem que te aconteceu daquela vez. A gaja era mesmo boa… e papei-a toda. Desculpa foi eu ter saido tão cedo, mas o avião não espera.

 

Nunca me senti tão aliviado com palavras como aquelas.

É verdade que a gaja boa não estava com um sorriso por minha causa.

Mas o agradecimento do gajo fazia mais sentido, e isso era o que valia mais…

 

Por tudo isto estou a pensar em alterar o regulamento das estadias no meu quarto.

E para que não haja misturas, os gajos continuam a dormir no chão, as gajas passam a dormir na cama comigo.

tags: ,

publicado por Peter WouldDo às 00:07

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

Adepto de futebol tuga em Londres II

CONTINUAÇÃO DO POST DE SEGUNDA

 

A JORNADA DO ADEPTO DE FUTEBOL TUGA

 

As gajas eram o cálice sagrado para o adepto português.

Na mente não paravam de correr as palavras de um amigo: Tens de ir ao Red Light District, porque ouvi dizer que era só casas de gajas…

Ao ver um jovem que achou com cara de quem gosta de gajas, parou para lhe perguntar:

- Where find girls??

- Girls!?

- Yes, good girls!

- Huuuuum, maybe in Soho, theres a lot of porno houses.

- Boa, casas de pornografia! – soltou o tuga.

E lá se fez ao caminho.

Soho aparecia no mapa, e a chegada foi rápida.

Mesmo estando na cidade errada (já que o amigo tinha confundido Amesterdão por Londres) acabou por encontrar as casas que queria.

Entrou na primeira que viu.

Na entrada as habituais revistas e filmes, que podem ser vistos nas salas privadas.

Mas o que lhe chamou a atenção foram outras salas privadas.

PREÇO: 20 pounds

- Só 20 libras? Isto é uma pechincha…

Entrou.

Era uma sala com apenas uma cadeira, virada para dois buracos na parede.

Um deles tinha claramente o formato necessário para meter uma nota.

A de 20 que pediam à entrada.

O outro era redondo e deixou o tuga a questionar-se para que serviria.

Depois de olhar várias vezes à volta achou ter descoberto para que serviria e pensou.

“Ahhhh, assim o preço já é bem mais puxado que em Portugal.”

Meteu a nota de 20 no buraco superior, baixou as calças e meteu algo no buraco redondo, ao nível da cintura.

Passados poucos segundos já ele exclama:

- Ui que mão fria! Ahhhh

Dois minutos.

Calças para cima e saiu.

Estava satisfeito, e levava que contar para Portugal.

Perdão, levava ideia para negócio para Portugal:

- Como é que nunca me lembrei disto. Posso contratar gajas velhotas e tudo, que eles não vêem quem está do outro lado. Ganda negócio!!

Neste momento estará dentro do avião de regresso a Portugal.

Daqui a uns meses lembrem-se desta história quando começarem a surgir em Portugal notícias de que o desemprego começa a diminuir

 

sinto-me:
tags: , ,

publicado por Peter WouldDo às 00:05

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags