.posts recentes

. As minhas sapatilhas bran...

. Futuro profissional

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados


Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

As minhas sapatilhas brancas

 

Quando trabalhei na pastelaria fui obrigado a comprar umas sapatilhas brancas, já que fazia parte da farda, mas eles não forneciam.

Quis o destino que pouco mais de uma semana depois eu deixasse o trabalho.

Dessa forma fiquei guardador de um par de sapatilhas órfãs, já que eu me recusava a perfilhá-las.

Nunca na minha vida me achei capaz de um dia comprar um par de sapatilhas brancas.

Quando o fiz foi quase que se não estivesse presente no meu corpo.

Um pormenor que levou a que me enganasse duas vezes a meter o código do cartão multibanco na altura do pagamento.

Os dias foram passando e quase diariamente olhava para as sapatilhas que jaziam no armário.

Quase pareciam olhar para mim a pedirem para serem usadas.

Aos poucos comecei a olhar para os pés daqueles que pareciam calçar branco.

Reparei que não são assim tão poucos.

Mas notei também que os utilizadores de sapatilhas brancas formam uma espécie de sociedade secreta.

Tão secreta que parece que eles próprios não sabem da sua existência.

E há uma moda, código de deontologia dessa sociedade secreta.

O branco das sapatilhas há muito que deixou de ser branco.

Eles fazem até para que o branco seja sujo.

E eu comecei a enterrar o meu preconceito de que sapatilhas brancas só são utilizadas por cantores de Hip-Hop e membros de gangs nos Estados Unidos e Chelas.

Um dia, a chover, eu olhei para o armário com as palavras da minha mãezinha em mente: “quando chove pega em calçado que não deixe passar água”.

E do armário a seguinte frase:

“Nós não deixamos passar a água e somos muito confortáveis. E a lama de certeza que nos tira este branco que até faz doer os olhos.”

Confesso que cai na tentação, bem à imagem de Adão, aqui há uns anos atrás.

Calcei-as e gostei do que vi.

Combinavam até com as calças de ganga na perfeição.

Ia na rua e ninguém olhava para os meus pés, ao contrário do que eu pensava que ia acontecer.

No trabalho, uma empresa de moda, ninguém comentou.

Estava passado no teste.

E ao final do dia elas estavam de facto menos brancas e mais sujas.

No dia seguinte tive de as usar outra vez.

Foi quase preciso uma petição do outro calçado do armário para que as parasse de usar.

Estou apaixonado pelas minhas sapatilhas brancas sujas.

São confortáveis.

Mas na verdade, acho que é porque me sinto como um membro de um gang americano que sabe cantar hip-hop quando as calço.


publicado por Peter WouldDo às 00:04

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

Futuro profissional

Não é desculpa, mas tenho andado muito ocupado a responder a anúncios de emprego.

Na próxima semana fico, outra vez, desempregado, e por isso não posso facilitar.

Ja tenho uma carrada de entrevistas para os próximos dias (3) e um teste in-loco amanhã.

Entre as entrevistas está um empresa que nem sequer quero dizer o nome mas que o logotipo é um M amarelo e redondo.

Claro que só resolvi concorrer para lá porque já começo a estar desesperado por encontrar um emprego permanente, que me liberte a cabeça para outros assuntos, que não procurar trabalho.

E se essa estebilidade for encontrada lá, perfeito.

Bem, perfeito nunca será, mas será bonzinho.

Macbonzinho.

Com uma fanta de tamanho médio e sem batatas fritas.

O teste que amanhã vou fazer, por outro lado, é para uma espécie de pastelaria francesa.

Tem uns bolos fabolosos, o que normalmente é a minha perdição.

 

Contas feitas, começo a ter boas hipóteses de nas próximas semanas entrar para as estatísticas do obesos de Inglaterra.

Cenário que até não será muito mau, porque pelo menos significaria que teria estabilidade profissional.

 

Pergunta que faço a mim próprio:

Queres ser gordinho e ter um emprego, ou magrinho e estares desempregado?

 

Resposta quase óbvia:

Óh, gordinho já sou. Isso significa que vou ficar gordo?

 

É nesta altura que entra o criador na conversa e diz:

Dá graças a Deus, que dizer a mim, por teres trabalho, porque na actual situação económico do mundo...

 

E eu, porque sou uma pessoa bem educada,  respondo-lhe:

Obrigado.

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 07:28

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags