.posts recentes

. De férias em Portugal

. Custou, mas consegui...

. Ryanair e os "blow jobs"

. Passei com 20,3 Kg

. O último dia antes da mud...

. Ainda o trabalho...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados


Segunda-feira, 9 de Março de 2009

De férias em Portugal

 

 

Atrasei-me a postar.

E ao lerem este post já nem deve ser segunda-feira.

Mas a desculpa é que este fim-de-semana foi muito movimentado.

Na sexta à tarde decidi não esperar pela Páscoa e ir já de férias a Portugal.

Neste momento não tenho emprego, e daqui a algumas semanas espero já ter, o que dificultaria a ida a Portugal.

Uma pesquisa por viagens e descobri que os preços até eram acessíveis.

Na Ryanair cerca de 130 libras (145 euros), e na TAP 140 libras (155 euros).

Para viajar na Ryanair tenho de me deslocar para o aeroporto de Stansted.

O que custa 14 libras por autocarro.

Já o voo da TAP saía de Heathrow, para onde há metro.

Ainda por cima a linha que passa perto da minha casa.

Nem hesitei e comprei pela TAP.

Até porque é portuguesa, e eu não comungo das críticas que muita gente lhe faz.

Pelo menos nunca tive razão de queixa, e continuo a não ter.

É tão bom ouvir uma Andreia Cunha a perguntar-nos em português se queremos sumo de laranja para acompanhar a sandes.

Tive de acordar às 3 da manhã de domingo, e fui para Heathrow de autocarro, já que a essa hora não há metro.

Só às 10 cheguei a casa, na freguesia de São Cristóvão de Selho.

E foi aí que criei as primeiras emoções.

A minha mãe não estava à minha espera, e liguei-lhe de fora da casa.

Ela atendeu pensando que estava longe, e a contar-me que iria almoçar com uma tia minha.

- Então não vais almoçar comigo – disse eu.

- Quê?

Nessa altura abri a porta e ela ficou cerca de dois segundos a olhar para mim sem perceber o que se estava a passar.

Depois o choro do costume

Decidi ir almoçar sozinho a um restaurante, já que não quis alterar planos.

Aproveitei para rever a minha cidade: Guimarães.

Um bom prato de bacalhau, uma coca-cola e um leite-creme com açúcar torrado.

Tudo à maneira para matar saudades da comida portuguesa, e por apenas 8,20 euros.

E ainda comi ao ar livre... (foto)

Depois de almoço nada melhor que assistir a um jogo de futebol ao vivo (entrada com um cartão de sócio de um familiar meu – por isso à borla).

E ainda por cima ganhamos, para variar em relação aos últimos resultados.

Ao final da tarde estava cansadíssimo.

Tinha apanhado sol a tarde toda no futebol.

Para além de ter dormido poucas horas, já que na noite de sábado houve festa em casa.

E conversas com temas tão interessantes como o Tweety.

Mas isso é tema para o post de amanhã.

 


publicado por Peter WouldDo às 15:58

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Custou, mas consegui...

Mentiria se não dissesse que já andava desanimado.

Três semanas depois de ter chegado a Londres ainda não tinha trabalho.

Tantas expectativas criadas, tantas facilidades relatadas e até constatadas...

Mas custava arranjar alguma coisa.

Hoje, quarta-feira dia 22, comecei a trabalhar e já fiz as primeiras quatro horas.

O meu lugar no avião da Ryanair do dia 03 com destino ao Porto vai ficar vazio...

E os 33,58 euros que gastei vão ao ar...

Na prática, vou fazer algo parecido ao que fazia em Rugby.

Mas é um trabalho muito mais leve, limpo e calmo...

Por outro lado, só há certeza que dure pelo menos até fim do ano, e vou ganhar o salário mínimo, que são 5,73 libras por hora, antes de descontos. 

 

Como o horário é das 8 às 16, vou procurar um part-time para o final da tarde.

Juntar uns trocos para fazer um curso ou dois.

Mas antes disso já estou a pensar como posso melhorar o meu Cv até Janeiro, para depois me safar de outra maneira.

Projectos, pelo menos, não faltam.

O "Plano B" volta à gaveta.

Pelo menos durante algumas semanas...

 

Para terminar, e terem maior consciência de como as coisas estão díficeis cá, deixo-vos alguns números que recolhi durante os últimos dias da imprensa:

 

  • As vendas imobiliárias estão ao nível mais baixo desde que há registos. Ou seja, há 30 anos.
  • O desemprego atingiu, esta semana, o nível mais alto dos últimos 10 anos no RU.
  • Nos últimos três meses, 164 mil pessoas ficaram sem emprego no RU.
  • Um milhão e 790 mil pessoas estão desempregadas no RU.
  • No próximo ano, as previsões apontam para os 2 milhões e 250 mil desempregados.
  • Em Londres, e nos últimos três meses, o número de desempregados subiu em 39 mil.
  • São actualmente 304 mil os desempregados existentes na capital.

 

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 17:53

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Ryanair e os "blow jobs"

Não há dúvidas que as companhias aéreas low cost vieram revolucionar o mercado...
veja o exemplo da minha ida a Portugal em Setembro. A viagem de ida custou cerca de 50 euros e a de volta custou... 6 euros.

Por isso, e como ainda não tenho a certeza de onde estarei a trabalhar, comprei duas viagens de volta, com uma semana entre elas.

Assim, posso ficar em Portugal apenas um fim de semana ou uma semana e dois dias.

A perder só tenho... 6 euros.

Mas a Ryanair quer revolucionar o mercado transatlântico de viagens.

Vamos analisar a intenção:

Uma das formas das low cost terem preços mais baixo é a ausência de ofertas durante o voo: comida, bebidas e outras pequenas coisas...

Agora imaginem o que seria voo transatlânticos sem estas ofertas.

Já estou a ver os tugas a levar farnel para o avião... bolinhos de bacalhau, vinho tinto, uns panados, ovos cozidos...

O cheiro que não seria.

Mas, se pensam que não é possivel voos low cost a cruzar o atlântico vejam esta conferência de impensa do CEO da Ryanair, em que ele promete blow jobs...

A quem não sabe, não sou eu que vou explicar o significado desta palavra em português.

 


publicado por Peter WouldDo às 19:32

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Quinta-feira, 12 de Junho de 2008

Passei com 20,3 Kg

 As novas tecnologias permitem-me vir aqui, às 08h45, dizer que passei com 20,3 kg na mal...

Já me tinham dito que as miúdas da Ryanair no Porto facilitavam, mas tive a oportunidade de confirmar, apesar de ter abusado um bocadinho.

Também vim escrever porque tou a sentir um nervosinho miúdo.

Penso ser normal.

Segue-se o voo às 9h25, com chegada prevista para as 11h45.

Até já!

 

 

PS: Será que elas facilitam com todos ou apenas com quem é charmoso??

 

sinto-me: Nervosinho
tags:

publicado por Peter WouldDo às 08:33

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

O último dia antes da mudança de vida

No momento em que escrevo este post, faltam cerca de 12 horas para pisar território inglês.

Já muita gente hoje me perguntou como me sentia.

Tenho a dizer que o sentimento dominante é a ansiedade.

O dia de hoje foi bastante cansativo.

Penso até que mais que o de amanhã.

Para além de estar ainda a arrumar coisas que trouxe de Mirandela, estive a fazer a mala.

E que trabalheira me deu.

Nos últimos dias já várias vezes me tinham ocorrido coisas de que tinha mesmo necessidade de levar.

Mas, por curiosidade, resolvi pesquisar na internet conselhos para quem vai viajar sobre como melhor arrumar uma mala.

Depois de algumas dicas banais, encontrei uma de que nunca me tinha lembrado, e que pode ser bastante útil: levar cópias dos documentos pessoais mais importantes (bilhete de identidade, passaporte, carta de condução, etc…).

Não sei se terão algum valor em caso de roubo ou perda dos originais, mas às vezes…

Para o saco de bens pessoais, os conselhos que se vêm mais dizem que seja resistente fácil de vedar, para não sujar a roupa nalguma eventualidade.

Nada que não soubesse já, assim como a dica de colocar as meias dentro dos sapatos e sapatilhas.

Para além de pouparem espaço, evitam que os sapatos se estraguem.

Em relação ao conselho de enrolar as t-shirts em vez de dobrar fiquei inicialmente apreensivo se seria eficaz.

Depois de experimentar cheguei à conclusão de que sim, era.

Mas sobre como poupar peso nada…

É que vou viajar na Ryanair, que tem 15 kg de limite de peso.

Sei por pessoas amigas que no Porto facilitam até 17, 18 ou até 19.

Mas foi uma dor de cabeça.

Na primeira vez que pesei a mala tinha…23 kg.

Assustei-me.

Depois de algumas coisas retiradas, nomeadamente tolha para a cara e algumas t-shirts, cheguei aos 19.

Troquei algumas coisas para a mochila, mas pouco reduzi.

O que pesa mais não posso levar na bagagem de mão: o saco de bens pessoais.

Vou arriscar com 19.

Depois conto se tive a sorte de passar sem a multa de 15 euros por quilo.

Vou apostar tudo no meu poder de sedução, isto no caso de ser uma assistente.

Saio às 09h25.

Desejem-me boa sorte.

sinto-me: Ansioso qb

publicado por Peter WouldDo às 22:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 15 de Abril de 2008

Ainda o trabalho...

Já tenho prevista uma passagem pela agência do Porto, mas mesmo assim continuo à procura de outros trabalhos que fosso fazer em Londres.

E em conversa com uma amiga descobri que a Ryanair anda a recrutar assistentes de bordo, com entrevistas no Porto.
Fui à procura de mais informação e lá me consegui inscrever.
Mas há algo aqui que não bate certo...

Para se poder ser assistente de bordo da Ryanair é necessário (como seria de esperar) fazer um curso.

Que tem o custo peculiar de 1700 euros.
Logo aqui começa a desconfiança, que aumenta com a facilidade que parece haver para entrar nesse curso.
Desconfiado, fui à procura de mais informações em foruns internacionais, o que encontrei nesta página.
Lá falam sobretudo de um documentário que terá passado no Channel 4 inglês, e onde é desmascarada uma alegada falta de segurança nos aviões da Ryanair e alegada falta de condições e baixos salários dos funcionários.

A desconfiança aumentou.
Depois encontrei esta página em português, e a desconfiança atingiu proporções inimagináveis.
Mas,e quem me conhece sabe disso, sou daqueles que gosta de ver para crer, e por isso pelo menos vou à entrevista.

Cheio de perguntas...
Dia 23 (quarta-feira) num Hotel no Porto.

Em inglês.
Já me estou a preparar vendo o Dr. House sem as legendas em português.


publicado por Peter WouldDo às 18:13

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags