.posts recentes

. A riqueza da palavra PUTA

. FIM DA GREVE – Os portugu...

.arquivos

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

.Posts mais comentados


Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

A riqueza da palavra PUTA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não fui eu o tuga autor da brincadeira.

Mas reconheço que a originalidade é de se lhe tirar o chapéu.

E sendo o aviso de um WC inglês, a private joke ainda fica melhor.

Tenho uma grande admiração pelo tom directo dos avisos ingleses.

Vão directos ao assunto, e neste caso avisam logo que os canos “já estão a ficar entupidos”.

A versão portuguesa deste aviso seria qualquer coisa como:

“Não atire o papel para a sanita que pode causar entupimentos”.

Em resposta, o verdadeiro tuga pensaria:

“Oh, pode mas de certeza que isso não vai acontecer comigo”.

E pumba, papel para dentro da sanita.

Os ingleses optam por uma versão mais ameaçadora:

“Os canos já estão a ficar entupidos”.

Deixando em entrelinhas que podem mesmo ficar com os bocados de papel que nós vamos atirar lá para dentro, correndo o risco de levarmos com a inundação nos pés.

E qual é a resposta de um tuga a este aviso:

“Reparar que a conjunção das quatro primeiras letras das quatro palavras mais à esquerda formam a palavra PUTA”.

Dito de outra forma:

“Cagou” para o que o aviso dizia.

E o mais provável é que o tuga que riscou o aviso deve ter mesmo atirado o papel para dentro da sanita.

Reparem que ele ou anda sempre com um marcador permanente azul no bolso, ou então foi buscar um a casa só para o serviço.

Volto a afirmar que não fui eu.

Embora também reconheça que sempre odiei deitar papel higiénico sujo para dentro de cestos.

E como não havia mais nenhum contentor por perto…

 

sinto-me:

publicado por Peter WouldDo às 00:04

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

FIM DA GREVE – Os portugueses de “cá de fora”

 

Parece que resultou o meu pedido de comentários.

É que sem eles a motivação para continuar a escrever diminui.... bastante.

E já não estava habituado a dois posts seguidos sem qualquer comentário.

Eu sei que vocês vêem cá para ler e não para comentar.

Mas considerem o comentário como a minha alimentação diária para continuar a escrever.

Quase 200 visitas em 24 horas e oito comentários de diferentes pessoas (Guiga aquilo não vale).

E por isso, estou de volta ao activo.

 

 

Hoje vou falar de portugueses.

E escrever que amo os portugueses que andam por esse mundo fora a esconder que são portugueses.

Bem, amar se calhar não é a palavra certa.

Eu venero esses portugueses.

E esta semana conheci um deles.

A minha primeira reação foi logo perguntar-lhe se queria que lhe lavasse os pés ou limpasse a casa de banho.

Tudo de borla.

Conheci uma rapariga que jamais descobriria que é portuguesa, porque ela faz questão de esconder o distintivo com o nome e tem um sotaque britânico quase perfeito.

Soube que ela é um desses portugueses porque me disseram e eu fui perguntar-lhe se era verdade.

Ao que ela respondeu:

- Yes I am, but don’t tell anyone!

E a conversa acabou ali, porque eu próprio perdi o interesse em saber o que quer que fosse, apesar de a venerar.

Acima de tudo porque a minha pergunta em português teve direito a resposta em inglês.

Esses portugueses não são o que eu gosto de chamar de tugas.

# Um tuga tem orgulho em o ser e não tem problemas em mostrar o que é.

# Um tuga emociona-se ao ouvir A Portuguesa.

# Um tuga compra cerveja Super Bock ou Sagres no estrangeiro mesmo que ela custe o dobro.

# Um tuga arrepia-se quando outro tuga faz sucesso no estrangeiro.

# Um tuga diz que o Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo mesmo sendo ele tão feio.

 

E é aqui a parte em que explico porquê venero os portugueses que escondem que são portugueses.

Acima de tudo porque gostava de ser como eles.

Obviamente que não em relação à capacidade de esconder a minha origem ou nacionalidade.

Mas gostava de ser como eles em relação à minha beleza:

- Sim, sou feio. Mas não digas a ninguém!

E gostava de o conseguir esconder tão bem quanto eles.

Talvez assim tivesse mais sorte junto do sexo feminino…

 

PS: Ainda não arranjei nick para este tipo de portugueses... alguma sugestão?

 


publicado por Peter WouldDo às 00:02

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags